A Paróquia

Uma paróquia, duas padroeiras, centenas de histórias...



Altar da Paróquia Santa Zita

Quem poderia imaginar quanta diversidade, história e trabalho pastoral têm a nossa querida Paróquia?


Para os mais jovens ou até mesmo quem chegou a pouco mais de vinte ou trinta anos, a história não contou as missas celebradas a céu aberto, nem o suor, trabalho e dedicação de quem por aqui passou.


Começaremos então a remontar nosso quebra cabeça com nossos grandes exemplos de fé.

 

Zita, jovem italiana, nasceu em 1218. Aos 12 anos começou a trabalhar como empregada doméstica para a família Fatinelli e neste ofício permaneceu por 48 anos, até sua morte em 27 de abril de 1278.

 

Canonizada em 1696 e declarada Padroeira Universal das Empregadas Domésticas em 1955. Seu lema: “MÃOS NO TRABALHO, E EM DEUS O CORAÇÃO!


Nossa Senhora do Caminho é uma devoção vinda da tradição Portuguesa, da Vila de Mogadouro na Região Norte de Portugal. Os imigrantes Portugueses daquela Região doaram uma imagem nossa à Paróquia, e tanto cá como lá, sua devoção é celebrada no último final de semana do mês de Agosto.


Madre Maria Amélia, fundadora das Congregação das Irmãs de Santa Zita, em colóquio com D. Paulo Rolim Loureiro, à época Bispo Auxiliar de São Paulo, manifestou a vontade de que houvesse uma paróquia em honra de Santa Zita. Então ele disse à Madre: “no bairro da Vista Alegre tem um pessoal pedindo uma igreja, vai lá e se entenda com eles”.

 

Foi assim que em 20 de Abril de 1958, na residência do Sr. Francisco Rocco, realizou-se a primeira reunião para a criação da Paróquia Santa Zita; em 27 do mesmo mês, na residência do Sr. João Rodrigues, realizou-se a segunda reunião após a Celebração da primeira missa, presidida pelo Pe. Francisco Pereira, estando já presentes a imagem e as relíquias de Santa Zita. As celebrações dominicais continuaram acontecendo na varanda dessa residência. As Irmãs traziam os paramentos e os objetos sacros; em Maio do mesmo ano publica-se o primeiro jornal; uma empregada doméstica de nome Joana D’Arc doa o primeiro paramento; em Junho seguinte o Frei Carmelita Thomás Navarro passa a “cuidar” daquela comunidade com celebrações, atendimento de confissões, visitas às famílias e catequese; em 29 de junho acontece a primeira procissão, seguida de animada quermesse; em 1959 celebrou-se, com a presença do Bispo, a 1ª Missa no terreno da atual Igreja.


Finalmente em 21 de Abril de 1960 deu-se a “Instituição Canônica” da Paróquia Santa Zita.


Padre Rodolfo Inácio Schebesta é o primeiro pároco e permanece até a chegada do Padre Antonio Biselli, no final de 1963.

 

Em Janeiro de 1966 é lançada a Pedra Fundamental da atual Igreja, concluída e inaugurada em 1970.

 


Padre Antônio Biselli

Preocupado que sempre foi com a juventude, em 1968, Pe Biselli instala a Escola Paroquial Santa Zita e passa a contar com a colaboração das Irmãs Mestras Pias Filippini, nesse projeto educativo.

 

Durante os 40 anos como Pároco, Pe Biselli contou com padres cooperadores, dentre eles, Pe. José Maria Pinheiro – hoje bispo emérito, Pe. Thomas Fritsch, Pe. Manoel, Pe. José Muniz Cabral, Pe. Lourenço Lemay, Pe. José Vinci, Pe. Roberto Crispim e Pe. Jader Francisco Marques Peres. Este último, posteriormente tornou-se Pároco. Pe. Antonio Biselli faleceu dia 02 de Maio de 2004. Após sua morte, o Pe. Bernardo William Echeverry Cañas foi Administrador Paroquial até 2012, entregando as chaves da paróquia para o atual administrador Pe. Maurício Vieira Souza.



Realizações de Pe. Antonio Biselli

    • 1966 – Lançamento da pedra fundamental para construção de nova Igreja;
    • 1968 – Início da Escola Paroquial Santa Zita;
    • 1970 – Inauguração da nova Igreja;
    • 1978-1982 – Mantém vigoroso Grupo de Jovens - cerca de 200;
    • 1991 - Assume a Pastoral da Juventude (PJ) da Região Episcopal Santana;
    • 1992 - Inaugura a Casa da Juventude (CAJU) da Região, ano em que o tema da Campanha da Fraternidade foi Juventude e Fraternidade;
    • 1996 - Lança a Pastoral da Saúde na Paróquia e em nível de Região;
    • Até os anos 90, Pe Biselli sempre acordava muito cedo; aos domingos ele lia cinco jornais, depois se preparava para celebrar as cinco missas dominicais: às 7h, 8h, 9h, 10h e 18horas.
    • Nos 40 anos em que esteve à frente da Paróquia, contou com vários padres cooperadores: anos 1965 a 1967 - Pe José Maria Pinheiro (hoje Bispo Emérito de Bragança Paulista-SP), ano de 1967 - Pe Thomas, décadas de 1970 e 1980 - Pe Manuel, Pe Cabral e Pe Ladislau, ano de 1998 a 2000 - Pe Lourenço, ano de 2001 - Pe José Vinci.
    • Vocações que surgiram: Pe Maurício, Pe Cláudio, Pe Toninho, Pe Frank, e irmã Maria da Guia.